Feng Shui Clássico

O lugar ideal é uma constante procura do homem contemporâneo. A visão chinesa representa o caminho e seus métodos, hoje radicalmente corrompidos, do cuidado e do retorno à ética ecológica e cósmica, assim como toda a expressão da mãe Terra.

A compreensão de toda a forma energética cosmo-terrestre e suas interação, que forma essa teia da vida viva e dinâmica, é que é o objetivo dessa ciência-arte ancestral.

Os mesmos meridianos onde percorrem as energias no ser humano, percorrem, também, no seio da Terra, e nos indica onde o Chi é vivo ou não, onde está adoecido, morto.

O Feng Shui ultrapassa o entendimento da construção e o seu entorno, a correta distribuição energética, a leitura correta das diversas modalidades de baguás. Passa pela posição e a ação ética humana do zelo, do cuidado e do amor com a natureza e com a comunidade.

O homem ainda é o maior poluidor material e energético do que chamamos “casa”.

De nada adiantaria o cuidado ao alinhar a construção aos vários tipos de energia (Chi) se não houver a compreensão de que somos parte dessa teia da vida.

A nova visão da realidade baseia-se na consciência do estado de inter-relação e interdependência de todos os fenômenos físicos,biológicos,social e cultural.

Assim a antiga abordagem do Feng Shui,como um mero instrumento de harmonização de ambientes,não passa de um visão superficial, do que corresponde a finalidade das diversas técnicas e Escolas, desenvolvida durante os milhares de anos, sob a orientação de mestres e arquitetos imperiais. Essas técnicas de construção vieram desenvolvendo e apurando as técnicas de geopuntura, o cuidado na inserção de uma habitação em meio ào local escolhido, a forma e o material utilizado na construção assim como o objetivo final dessa obra. Entendiam os antigos arquitetos imperial que para cada tipo e finalidade de uma construção, ela deveria ter a capacidade de coletar a energia oriunda no local,de um modo natural. assim como a sua correta distribuição dentro de cada ambiente a fim de que a energia (Chi) possa fluir de modo harmonioso promovendo o bem estar físico e psíquico dos moradores.

E para isso o segredo dessas técnicas de construção, só era de conhecimento dos arquitetos e marceneiros imperiais, porque era um dos instrumentos do império para a manutenção do poder e riqueza. E daí o porque na Ásia, essas técnicas são mais utilizadas em termos corporativos e não residencial como acontece no ocidente.

Feng Shui é um instrumento de harmonização ? Sim.

Mas, antes de mais nada, ela preenche o objetivo, dos vários impérios que reinaram na antiga China, a manutenção do poder imperial, da boa colheita nos campos e o planejamento cuidadoso das vilas e cidades imperiais para que o comercio em geral seja próspero e com isso a riqueza do império estaria assegurada, através da coleta de impostos.

Feng Shui é o cuidado do sutil da alma e da natureza, expressa nas suas várias formas energéticas e materiais. É a expressão máxima do encontro do Cosmo e Terra, no nosso ambiente interno.

É a reconstrução da morada humana sobre o encontro melodioso das manifestações múltiplas das ressonâncias energéticas do Homem-Terra e Céu.

É a consagração do Ming Tang ( O Palácio Iluminado) que chamamos de casa mas para o Feng Shui é o Espaço sagrado de cada morador.

 

* Prof. Luiz Carlos Akira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *